4 de dezembro de 2010

Santo Antonio do Jardim

                  

ORIGEM DA CIDADE

            Santo Antonio do Jardim se localiza onde ficava contida a antiga Fazenda Santa Bárbara do Jaguari –Mirim, fundada por posse em 1816 por Pedro Manuel dos Santos, território originalmente pertencente a Espírito Santo do Pinhal.
            Com a partilha da Fazenda Santa Bárbara, se formaram vários sítios e pequenas fazendas. Um dos proprietários dessas glebas que se formaram era Felício Batista de Almeida que vendeu uma área de aproximadamente 85 alqueires de terra para Daniel Nunes de Almeida e sua mulher Angélica Maria da Purificação. 
            Antes de 1881, Daniel Nunes de Almeida e sua esposa Angélica Maria da Purificação venderam aproximadamente 10 alqueires de terra para Rita Maria de Jesus, moradora de Andradas (antigo Bairro do óleo), essas terras abrangiam exatamente onde hoje se localiza a cidade de Santo Antonio do Jardim.



Rita Maria de Jesus, 1880



Doações Das Terras Para Santo Antonio

Em 26 de março de 1881 Rita Maria de Jesus efetuou a doação desses 10 alqueires de terra no valor de setecentos mil réis do sitio denominado “Jardim”, que seria uma das glebas resultantes do desmembramento da Fazenda Santa Bárbara do Jaguari – Mirim, a Santo Antonio, com a finalidade de servir de Patrimônio para ali se construir uma igreja e formar–se uma povoação, com as seguintes condições:

Todo aquele que ali vier morar poderá obter sua data de terreno para a edificação de uma casa, de conformidade com o Código de Posturas Municipal, deste Município, pagando cem réis por braça de frente, com trinta de fundo, sendo este foro anual e pagos adiantados. Enquanto não for edificada a igreja de Santo Antonio, ninguém poderá servir-se das madeiras de lei existentes nos referidos dez alqueires de terras, sob as penas da lei em que incorrer incorrer e de pagar às obras da Igreja de Santo Antonio o dano causado.
Todo o rendimento que houver de foro e indenizações de danos,serão exclusiva propriedade de Santo Antonio, para serem aplicadas no que precisar sua igreja, sendo estas rendas arrecadadas e administradas pela irmandade de Santo Antonio, que ali se organizar. Ninguém ali poderá servir-se dos terrenos para fazer sítios ou chácaras, pois só poderão obter uma data de seis braças de frente e trinta de fundo, conforme acima ficou declarado. Enquanto não houver irmandade de Santo Antonio organizada legalmente, será arrecadador de suas rendas, um cidadão de reconhecida probidade, ali morador, mediante nomeação do Reverendo Vigário desta Vila ou de sua Excelência Reverendíssima o senhor Bispo desta Diocese.E por esta forma disse ela outorgante que dava por feita firme e valiosa esta doação, transferindo a Santo Antonio toda a posse, jus, domínio que em ditos dez alqueires de terras tinha, e se responsabiliza por si e por seus herdeiros a fazer esta doação firme e valiosa quanto para o futuro alguma dúvida apareça”.  (MARTINS 1986, p.563)


 Formação Do Povoado

            Num mapa do Estado de São Paulo, datado de 1893, bastante detalhado, ainda não existe referência alguma sobre a cidade de Santo Antonio do Jardim.
            No Almanaque de Espírito Santo do Pinhal, publicado em 1894, Santo Antonio do Jardim até então constava de matas fechadas, com algumas choupanas e palhoças, atravessadas pelo caminho entre E. S. do Pinhal e Andradas.
Em 1894, Luís Ezequiel da Camara estava responsável pela guarda dos paramentos e alfaias de uma modesta Capela, ou seja, somente a partir desta época a cidade começou a configurar-se.

         “Hoje já aquele soberbo bairro conta um patrimônio, estando quase todos os terrenos aforados e havendo já ali uma olaria para o fabrico de tijolos e telhas. / O fabriqueiro, cidadão Luís Ezequiel da Camara, tratava ativamente da edificação de uma modesta Capela, em honra a Santo Antonio./ É de crer que em nada são inferiores ao solo ubérrimo do Espírito Santo do Pinhal”. (MARTINS 1986, p.566)

Em 1899, já há referencias de casas construídas em volta do largo da Capela. Já entrando num novo século, uma sequência de festas religiosas do padroeiro atraiu moradores da redondeza ao arraial do Jardim, provido de missas, novenas e procissões, e em seguida, as festas tidas como profanas. Para essas ocasiões as ruas da cidade eram limpas e niveladas.







  
No inventário de Antonio Inocencio da Costa, em 1899, é mencionada a existência de uma casa em Santo Antonio do Jardim, na rua Direita. Essa informação indica que em 1899 já havia começado uma organização de povoado, pois nas citações acima já aparecem denominação dos nomes de ruas.
            Foram encontradas referencias que no ano de 1902, de uma casa situada na rua direita da capela, no inventário de Pedro Xavier de Oliveira, Falecido em 06.05.1902 (Inventário nº 210, março A-22 Cartório do 2º Ofício de E. S. do Pinhal).

                                                                



            Já em 1903 foi realizado um levantamento geográfico efetuado pela comissão Geográphica e Geológica de São Paulo, já aparece bem detalhada a localidade de Santo Antonio do Jardim situada na estrada que liga Espírito Santo do Pinhal-SP a Andradas-MG.
            Em 1908 foi instituída a irmandade destinada a administrar as doações realizadas para a construção da igreja de Santo Antonio. Até esta data a cidade tinha apenas uma pequena capela onde hoje se localiza a atual igreja de Santo Antonio, segundo contam os antigos as festividades e tudo o que acontecia na cidade se concentravam em frente a esta capela.




Irmandade, 1908



            Durante a uma missa, no dia 13 de junho de 1910, pelo vigário Dr. Landel de Moura. Foram feitas algumas fotografias pelo senhor Luiz Tognetti, podemos ver em uma dessas fotos a Capela de Santo Antonio, era uma construção bem rústica e pequena, em alvenaria de tijolos coberta com telhas capa e canal. Curioso era o alpendre formado pelo prolongamento da empena do telhado, coberto com por chapas de zinco, tendo à frente um mezanino uma espécie de “coro”, articulado entre os esteios da madeira. Este local tinha como função também de ampliar-se provisoriamente para abrigar os fiéis e o mezanino era utilizado como púlpito de festas e missas campais ou simplesmente para o acesso ao sino, pendurado num dos cantos da tesoura do telhado.



Primeira Igreja, 1910



Construção Da Igreja De Santo Antonio
            Um ano após a missa, no dia 07 de Fevereiro de 1911 o Capitão Joaquim Nunes Brigagão, proprietário de uma casa no largo Santo Antonio, vários terrenos e também da Farmácia, determinou em seu testamento uma doação de cem mil réis para as obras da igreja da povoação de Santo Antonio do Jardim.
            Em 08 de novembro de 1915 foi criado o distrito de paz do município pela lei número 1473, tendo como principal autoridade o Sr. Virgilio Dionysio Ferreira. E no ano seguinte no mês de Março do ano de 1916 foi inaugurada a subprefeitura municipal.
            Com as arrecadações das festas religiosas e de doações particulares, como a doação anos atrás do Capitão Joaquim Nunes Brigagão, foi iniciada as construções da nova igreja de Santo Antonio pelas mãos de Cezar Ferreiro, que também projetou a igreja de São Benedito em Andradas e a de Ibitiura de Minas. A igreja de Santo Antonio do Jardim foi concluída em 1927, Seguindo o estilo neo- românico tão característico no inicio do século XX em templos católicos no estado de São Paulo.   

           

Construção Da Praça João Pessoa
O largo em frente a igreja, funcionava como pátio de saídas e entradas das procissões, para montagem de barracas de festas e para a valorização visual da fachada da igreja. Para que ocorresse apresentações da banda local foi erguido um coreto ao centro. Em volta deste Largo, foram se concentrando os principais estabelecimentos comerciais e de serviços, as melhores residências do bairro e os prédios públicos, como o Grupo Escolar Estadual inaugurado em 1932. 
A construção da praça ocorreu em 1968, pelas iniciativas do Sr. Plutarcho da Costa Camara, do qual realizou o projeto seguindo os padrões da praça de E. S. do Pinhal, segundo ele o projeto não foi totalmente executado por ter sido completado aos poucos, podemos notar nas fotos por exemplo o tratamento paisagístico que foi realizado anos após a praça já ter sido construída.



Rua principal na época em que foi pavimentada pela primeira vez
 

            Atualmente a praça é um local de agradável permanência, possui uma área bem sombreada, com bancos de cimento registrando propagandas antigas. A Praça e a Igreja são os ícones de identificação da cidade, onde as festividades ocorrem até hoje envolta das duas, nas ruas que as cercam.




Recordação escolar em frente a escadaria da praça, 1993
                                                                              












Trabalho realizado por Karen C.S. Peixoto para a matéria de Técnica e Retrospectiva de Restauros do Curso de Arquitetura e Urbanismo, PUC-Poços de Caldas.

7 comentários:

eliane.belli disse...

Nossa que blog jóia.....muito bom para quem conhece matar saudade e pra quem não conhece vir correndo conhecer esta cidadezinha.....muito aconchegante e alegre.....é isso aí Karen!!!!

Anônimo disse...

Eu sou Jessiel Marcondes, e tenho muito orgulho em poder dizer que ja estudei na escola BAIRRO JAGUARI, onde fiz muitas amizades no ano de 2004.
E poder dizer que é um lugar maravilhoso.

Mariá disse...

Santo Antonio do Jardim..
Divisa com Minas Gerais
Clima seco e temperado
Destaque por seus cafesais..

Os primeiros habitantes
Vieram bem antes de nós
de uma nação poderosa
eram os indios caiapos

"Anrem ima coe coeman"
não era o que se consome
mais traduzindo esse dileto
"Come é vosso nome"

No dia 26 de março de 19881
Nossa cidade foi fundada
De modo muito comum

Rita Maria de Jesus
Efetuou a doação
contruiu uma igreja
e formou a povoação.

Anônimo disse...

se Rita Maria de Jesus fez a doação e ali formou a povoação, como essa mesma povoação deixa a igreja no estado que está, a igreja é o símbolo e o principal motivo da existencia da cidade... alguém pode me dizer o que há de errado com aquela igreja? porque ninguém faz nada?

REINALDO disse...

Ola a todos..ano 2010, estive em visita esta linda cidade,cidade esta de nascimento do meu pai em 1938, bairro de santa barbara.
por minha surpreza, avistei a igreja, um dos simbolos da marvilhosa cidade, doada por RITA MARIA DE JESUS, largada as moscas pelas autoridaes. nao se pode aceitar e deixar isso ocorrer com esta IGREJA, simbolo do inicio da cidade a qual, faz parte da historia dos nossos antepassados.
REINALDO BARBIERI
SP CAPITAL

REINALDO disse...

APROVEITANDO A PORTUNIDADE, PROCURO Parentes, que passaram por esta cidade maravilhosa, estabelecendo nas fazendas santa barbara e fazenda santa gloria, imigrantes vindos da italia em 18. abracos
REINALDO BARBIERI

BARBIERI disse...

complementando acima.. vindos em 1888....
meu endereco pra contato reinal@bol.com.br aguardo se possivel alguma informacao sobre. obrigado a todos